domingo, 3 de abril de 2011

DESENVOLVENDO UMA MINA SISTEMÁTICAMENTE

DESENVOLVIMENTO SISTÊMICO

O desenvolvimento pode ser especificado de acordo com os sistemas que envolvem o layout da mina. Tratando-se de um Desenvolvimento Sistêmico a escolha dos tipos de vias de entrada e saída (vias de acesso) é preponderante para o bom desempenho da produção da mina. As vias de acesso são os incrementos básicos que permitem atingir um ou múltiplos pontos ou setores da jazida mineral, e o escoamento das substâncias desmontadas. Portanto, podem ser superficiais e/ou subterrâneas.

Alguns fatores generalizantes são bastante relevantes, durante o planejamento, no momento da escolha e implantação das vias de acesso:


A) A TOPOGRAFIA DO LOCAL;

Define o modo da via de acesso quanto a sua forma em minas a céu aberto: inclinação, comprimento, largura e altura, nos casos de rampas; quantidade de acessos, de acordo com o layout da mina, transito na mina, porte dos equipamentos, etc. E no caso de minas subterrâneas determina a localização da entrada do acesso, galerias e túneis, em terrenos acidentados ou não.


B) A MORFOLOGIA DA JAZIDA;

Referente à disposição da jazida mineral , ou seja, a forma em que se encontra o corpo mineralizado nas rochas encaixantes, independente de ser próximo ou não da superfície: tabular, maciço, entre outras formas, ocasiona por fazer a direção a ser tomada pela via de acesso até minério.


C) O TIPO DE LAVRA;

O método a ser empregado divide a jazida mineral em seções ou níveis estabelecendo quantidade e direção das vias de acesso.


D) A INDEPENDÊNCIA DA EXTRAÇÃO (CONFORME CASOS ADVERSOS);

As vias de acesso ao minério são e devem ser abertas de modo a manter comunicação através de uma ou mais vias principais, porém, devem excluir a possibilidade de intervenção de trabalhos de uma frente de lavra para outra. A independência operacional é crucial para o bom andamento da produção, principalmente se tratando de minas suberrâneas.


E) AS DESPESAS;

Varia com a escolha da abertura da via de acesso de acordo com a influencia pela geomorfologia do terreno, estrutura das rochas, profundidade da jazida mineral, acúmulo de água (caso de vias subterrâneas), necessidade de instalações auxiliares, etc.


F) PRODUÇÃO ALMEJADA;

A via de acesso deve ser construída, de acordo com o layout do planejamento inicial, para suportar o transito da mina, incluindo o avanço e recuo de operários e equipamentos bem como a saída de material desmontado das frentes de lavra, principalmente o minério, e material de enchimento (caso de minas sub-superficiais).


G) E OS ACESSOS DE SERVIÇOS;

As vias são escolhidas de convenção com as necessidades básicas das atividades de operação da mina. Em underground mining são indispensáveis, dependendo dos fatos: vias de ventilação; vias de esgotamento de água; passagens para escoamento do minério, somente; vias especiais unicamente para entrada e saída de pessoas; etc.


MODO DAS VIAS DE ACESSO

Em surface mining (lavra a céu aberto) as vias de acesso são freqüentemente, simples aberturas basais, favoravelmente construídas para facilitar a lavra dos diversos bancos, que verticalmente dividem a jazida. O esquema desses acessos requer o conhecimento bem delineado da jazida, dependendo fundamentalmente da topografia local.

Os acessos em serviços subterrâneos são comumente poços verticais ou inclinados e túneis.


TIPOS DE ACESSO EM SURFACE MINING (LAVRA A CÉU ABERTO)

1 - SISTEMA DE AVANÇO E RECUO OU SERPENTINFORME:
A passagem do acesso é desenvolvida ao longo da junção de várias rampas com declividades (compatível com o tipo de transporte) até alcançar os pontos de extração ou as frentes de lavra.


Sistema de anvanço-recuo ou “zigue-zague” ou ainda Serpentina: a estrada de acesso se desenvolve por entre as bancadas, muitas das vezes conectando-se a elas, com declividade compatível com o tipo de transporte. Nesse caso o objetivo é alcançar o ‘fundo da cava’.


No sistema de acesso por serpentina com praças de manobra, os vários trechos em rampa são unificados por plataformas, de nível ou de pequena declividade, que possibilitam uma melhor condução de veículos ao mudarem de direção (giro, ré e outras manobras).


Se a extensão permitir, o acesso poderá ser feito por uma via continua, sem curvas e sem patamares.
O Sistema de ziguezague ou Serpentiforme tem uma vantagem que é a movimentação em pequenas áreas de horizontalidade. Por outro lado a desvantagem está na baixa velocidade de transporte.


2 - SISTEMA DE VIA HELICOIDAL CONTÍNUA (Helical continuous):
Utilizado para jazidas minerais de grande extensão horizontal, em cavas profundas, este sistema se constitui numa via contínua, em hélice, apresentando estradas planas e outras em declividade.

O acesso é executado na medida em que vão sendo extraídas as fatias horizontais compreendidas no núcleo da hélice.



3 - SISTEMA DE PLANOS INCLINADOS (Inclined Plans):
Aplicável a jazidas de pequena área horizontal, com fortes declividades e transporte por skip ou correias transportadoras. São possíveis declividades até 70º ou 80º, permitindo atingir o fundo da cava em reduzida extensão. O minério é carregado em caminhões e despejado em chutes que alimentam os SKIPs e estes, por sua vez, basculam em chutes fora da cava, que alimentarão trens ou caminhões.



4 - SISTEMA DE SUSPENSÃO POR CABOS:
Aplicável a cavas profundas e de pequena área horizontal, atualmente de limitada utilização. Tal sistema foi muito utilizado nas minas de diamantes de Kimberley. Os cabos de suspensão se estendem sobre a cava de pequena área, suspensos por uma ou várias torres especiais. Pode haver uma única torre, neste caso, o cabo trilho é fixado junto à frente de carregamento por forte cavilha.


Uma das formas mais usuais deste método se dá pelo auxilio de duas torres, sendo uma móvel e a outra fixa. O acesso de equipamentos e de trabalhadores é feito por rampas, ligando os diversos bancos ou desenvolvidas lateralmente, nas paredes contínuas. O minério é carregado em caçambas içáveis e despejado em chutes superficiais, para posterior transporte.


5 - SISTEMAS COMBINADOS
Os demais sistemas de extração do minério na cava em surface mining envolvem combinação com serviços de underground mining (lavra subterrânea) e, conseqüentemente, limitações de extração periódica essenciais a estes serviços. O acesso de pessoal e equipamentos às frentes de trabalho é obtido por rampas auxiliares, parciais, de declividades pronunciadas (não sujeitas às limitações impostas pelo tráfego ascendente de caminhões carregados).

5. 1 - SISTEMA DE POÇO VERTICAL:
Um ou mais poços verticais próximos da cava, são ligados aos bancos por travessas (galerias). O minério desmontado em cada banco é transportado horizontalmente, até ao poço e despejado em silos ou chutes.


Nas caçambas o minério é içado para a superfície e despejado em chutes, para carregamento e transporte por caminhões ou vagões de trem. O sistema tem produção diária limitada.


5. 2 - SISTEMA DE ÁDITO INFERIOR:
Utilizável para minas lavradas em flancos de montanhas ou, em casos em que a topografia permite, para lavra em cava. A saída do minério desmontado é feita por um túnel inferior (ádito), no qual o minério é acumulado em um ou mais chutes. Transportado nas galerias, é transferido para este chute por uma ou mais caídas de minério (poços inclinados ou na vertical), às quais se ligam aos bancos. Do ádito, continua percorrendo até a um chute ou é diretamente transportado. Caso a seção (diâmetro de abertura) do ádito permita, o acesso poderá dispor de caminhões ou vagões para o transporte.



5. 3 - SISTEMA DE FUNIL OU CONE:
Consiste em um poço inclinado ou vertical, nas rochas encaixantes, conectado ao corpo de minério por uma travessa da qual partem subidas (poços verticais) até alcançar a superfície. O minério é desmontado no fundo da cava em cones concêntricos.

Através das subidas, previamente abertas, o minério atinge as galerias que estão ligadas a um poço vertical ou inclinado, aberto próximo a cava. Posteriormente o material desmontado é içado e despejado em chutes para em seguida ser transportado.

Se houver necessidade, o poço pode ser aprofundado e novas galerias podem ser construídas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário